segunda-feira, 21 de setembro de 2009

"Um dia do Peixe, outro do Pescador" O improvável aconteceu!

Na sexta feira dia 18 de setembro, a galera ansiosa não parava de me ligar, o celular ate esquentou eu achei que iria pegar fogo, a galera queria confirmar o já confirmado, o telefone tocou pela ultima vez antes do meu sono as 00h30min com a ligação do GU – “Ale, ate daqui a pouco”... E em seguida após um breve e sonoro ronco mais precisamente as 02h23min meu caro tio Valério, “Ou, Ale ta acordado?!? O ônibus já chegou! Eu e a galaera estamos aqui você não vem?”...

Levantei, acordei o DJO, que havia dormido em casa para ir à pescaria, tomamos café, tralhas no carro e seguimos rumo à casa do Edinho, ou melhor, rumo ao Edinho porque conforme eu tirei o carro da garagem, ele me ligou, “Ale, to chegando à sua casa”, olhei na esquina e lá estava ele com suas tralhas nas mãos e o sorriso estampado na cara, Edinho e DJO dentro do carro seguimos rumo a casa do meu cunhado Rodrigo, onde la estava ele com seus apetrechos e mais um com o sorriso mais uma vez tralhas no carro e rumo, finalmente, ao local combinado.

No local, em frente à loja, já estavam grande parte dos pescadores aguardando e ajeitando suas tralhas no bagageiro do ônibus e com a loja aberta, a galera que deixou para comprar algumas coisas de ultima hora, compraram...

O pessoal foi chegando e com isso as historias e risadas começaram... Mas um tempo para acomodações, alem de guardar os carros dos pescadores e dar uma corrida na casa de um pescador que não havia chego no caso o Gue, gritos e buzinadas e nada do Gue, tudo em vão, nem sinal do Gue. Na volta da casa do Gue com todo o pessoal reunido o ultimo movimento antes de pegar a estrada, juntamos todos para a 1ª foto do dia em frente à loja com toda a galera reunida!


Pois é ainda estava noite e as fotos combinaram com o horario...

Os Amigos e Pescadores que seguiram ao Castelinho foram os seguintes:
-Hertz;
-Hertz, Bacana;
-Edson, Edinho;
-Carlos, Neh;
-João Paula;
-Miguel, Gue (Não foi);
-Samuel;
-Rafael, Rato;
-Valério, o Washington;
-Gustavo, Gu;
-Ricardo Sinesio;
-João Paulo, JP;
-Guilherme;
-César Moreno;
-Wagner Buzzo;
-Leandro Romanato;
-Paulo Batista;
-Wagner, Juninho;
-Tomy (Não foi);
-Marcos Vinicius, DJO;
-Mauro, Guina;
-Fabio Romanato;
-Rogerio, Roger;
-Euclides, Seu Crides;
-Fernando, Fe;
-Antonio, Tonhe;
-João, Seu João;
-Rogerio, Rogerinho;
-João Paula Junior;
-Rodrigo, Mininão;
-Adriano, Fivela;
-Wagner, Tio Wagner;
-Marcelo, Paquita;
-Sandro;
-Marcio (Não foi);
-Rubens (Não foi);
-Rafael (Não foi);
-Wend (Não foi);
-Rafinha (Não foi);
-Suposto amigo do Rafinha (Não foi);
-E Eu, Alexandre.
Tem dois que foram no lugar de outros que faltaram.













Com todos acomodados no ônibus combinamos uma pausa de 10 minutos em Campinas para um rápido café.

O detalhe que dava um sinal talvez não muito bom era a chuva fina que caia no pára-brisa do ônibus... Já em Campinas conforme combinado, a pausa.

Após 10 minutos com o estomago forrado deixamos o recinto.
Novamente dentro do ônibus as “mentiras” recomeçaram e as risadas continuaram.

Após 3 horas de viagem, a uns dois minutos do Castelinho o posto policial, fez o que se propõe a fazer nos parou, porem só perguntou aonde íamos e nos liberou após a resposta Castelinho. Chegamos ao local com ar de ansiedade para arrumar tudo rapidamente e jogar, arremessar, lançar as iscas na água e esperar os bichos morderem o anzol. Eu desci as escadas do estacionamento, peguei as comandas dos pescadores e voltei para distribuir, com as comandas entregues, e com varas e tralhas penduradas na cabeça a galera seguiu a passos firmes sentido o lago dos gigantes, cada um para um lugar, alguns para o sul outros, norte, leste e oeste, ficamos muito bem divididos nos 4 cantos do Castelinho.

Quando eu desci ao lugar que escolhi para armar tudo, vi ao meu lado um amigo pescador com umas 7 varas armadas fisgando um Tamba de uns 7kg, pensei em silencio é hoje!

Armei 4 varas, 3 para as criaturas que eu queria brigar (com tilapias e cabeças de peixe como isca), no caso as Piras, e uma (com salsicha e beijinho) para Tambas e Pintados... A ordem foi mudando ao longo do dia e variando diversas vezes entre o esquema de montagem e a isca a ser usada, no total de 12 diferentes iscas.

Os risos entre os amigos foram constantes ao longo do dia, hora e outra aparecia um amigo para conversar e saber como estava às coisas, alem da chuva que insistia em ir e vir... PREVISÃO DO TEMPO, CUIDADO! NÃO ACREDITE NELA! (trecho descrito no site do Castelinho). A previsão do tempo, antes de sair de casa por volta das 02h40min da matina dizia e descrevia o dia como ensolarado com a temperatura chegando a casa dos 29º graus a tarde e com pancadas de chuva somnete durante a noite, nada disso aconteceu a chuva ficou com a gente durante o dia inteiro indo e vindo, e o sol nem as caras deu!

O tempo foi passando e nada dos peixes, acredito que estavam de férias, ou então o dito cujo, ditado prevaleceu: “Um dia da Caça, outro do Caçador”, “Um dia do Peixe, outro do Pescador”, e é com dor no coração que digo que foi o dia do Peixe e os 40 pescadores ansiosos e esperançosos, isso mesmo 40, viram o dia passar e os peixes fazer festa no meio do lago, pulavam pra cá e pra lá, mas nada de sair da água para a foto, e quando mordia soltava isso quando não arrebentava alguma linha ou anzol... Muitas varas puxaram, e muitos os casos, ou melhor, em todos os casos aconteceu o citado.
A historia desse dia, baseado em fatos reais e verídicos ficou a seguinte:

Um dia quase perfeito, com a galera perfeita de amigos e pescadores, seguindo de umas duas dúzias de variedade de iscas cada pescador, multiplicando por 3 que supostamente foi a media de varas que cada um usou da por volta de 120 varas armadas + 120 apoios de varas ou melhor descanso que elas ficaram ali para descansar, alem de um lago grande e repleto de Pirararas com diversos exemplares com mais de 60kg, Pintados e Tambas acima dos 35kg, alem de outros diversos peixes... Saldo total: 8.500 historias, 19.000 mentiras contadas e um recorde de peixes não fisgados...

O mais próximo que cheguei nesse final de semana a algum peixe grande foi no domingo, como mostra a foto que colocarei chegando em casa. Hehehe...

Bom mas um e outro tiraram alguma coisa da água, ao meu lado o Rogerinho e seu Euclides fisgaram uma Traira cada um, o Samuel fisgou um Tamba de uns 15 a 18 kg, o Hertz mais seu filho com o Edinho insistiram em fisgar um Pacu, que ja tinha deixado essa vida a umas duas semanas anteriores, e a cada recolhida de vara gritavam: aeeeeee, tiramos o dedo! Só esse Pacu podre saiu da água umas 6 vezes no minimo. E como disse muitos perderam boas e muitas fisgadas, o Gu, acredito eu, perdeu o maior peixe do dia, mordeu levou linha e mais linha ate soltar ou estourar...

Vimos amigos pegando alguns Tambas, um senhor próximo ao restaurante pegando duas Piras, um e outro pegando carpas além de pequenos lambaris nas margens do lago, um eu peguei!

Com o dia escurecendo o que nos restou foi juntar as tralhas e dar um adeus as bixos que não quiseram posar para fotos...

Bom, sem muitas historias para contar quanto a peixe, mas muita historia pra contar quando o assunto e risada e amigos... Quando o peixe falha a mentira prevalece! Foi tanto peixe que o meu braço vai ficar doendo no mínimo ate aproxima pescaria.

Durante a volta dentro do ônibus rolou o sorteio dos brindes (varas, molinete entre outros), que a equipe da loja o Canto do Pescador nos cederam pra finalizar toda a mentira celebrando o feito dando grandes e boas risadas...

Aos amigos e pescadores que embarcaram nesse conto só tenho a agradecer. Há todos MUITO OBRIGADO! E como essas viram muitas outras, porem, espero, hehehehehehehehe, com muitos de fato, peixes fisgados, fotos, historias alem de é claro “boas mentiras”.


Abraços a todos e att.
Alexandre Coimbra.

Fotos do Ponto que eu estava no Castelinho...

* Eu estou aguardando mais fotos para postar aqui!

João Paula na foto com o bixo.
Nem todo mundo saiu sapateiro, esse Tamba foi pego pelo nosso amigo Samuel.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

As Piras que me aguardem!!!

Castelinho:
Sábado esta logo ai, e as Pirararas do Castelinho que me aguardem, serão grandes brigas, bom pelo menos e esse o objetivo, hehehehe...

Tudo pronto para essa grande pescaria entre amigos, como dito, sairemos de Mairiporã as 3H30M do dia 19 de setembro, em frente à loja de pesca o Canto do Pescador, o ônibus devera estar no local as 3H00 para acomodações.

A loja, Canto do Pescador, estará aberta para os esquecidos, que por ventura estiverem sem anzóis, linha, chumbada, iscas e afins. O pessoal da loja, o Rafael, Nicolau e seu Nicola, são grandes parceiros dos pescadores bem como apoiadores e incentivadores da pesca esportiva, e sempre estão dispostos a trazer e oferecer a melhor tralha para o amigo pescador, assim como esclarecer duvidas quanto a que tralha usar e onde usar, equipamentos, peixes, iscas e etc. Mais uma vez obrigado pelo apoio!

O material recomendado para enganchar os bichos no anzol, são os de especificações para pesca media/pesada: anzóis de 7/0 a 10/0 para as Piras, anzóis para grandes redondos e grandes pintados variando de 2/0 a 8/0 alem dos gamakatsu e owner. Linhas, desde 0,50mm (mono) ate as 0,90mm (mono).

A variedade de Iscas deve e será bem grande:
– Tuviras;
- Minhocoçu;
- Salsicha;
- Cabeça de peixes;
- Guelra de Tilapia;
- Pequenos Lambaris e ou Tilapias vivas e ou congeladas;
- Massa guabi;
- Miçangas;
- Massa do pesqueiro;
- Eva;
- Mafish;
- Beijinho;
- Tripa de galinha.

Será uma daquelas pescarias inesquecíveis que todo pescador guarda em sua memória e sempre conta nas rodinhas de mentiras.
Só aguardar o resultado...

Abraço e att.
Alexandre Coimbra.
(ANSIOSO)


Parceiro: